Embarcação aporta hoje para levar carregamento à Europa. Produtores de melão estimam um crescimento de pelo menos 10% das exportações da fruta neste ano, puxado pela queda da produção no exterior e pela alta do dólar

 

Legenda: No primeiro semestre, as exportações de melão, principal fruta voltada ao comércio exterior, cresceram 135%, somando US$ 14,1 milhões
Foto: Natinho Rodrigues

Porto do Pecém recebe, neste sábado (29), o maior navio a atracar em um porto cearense. Com 330 metros de comprimento e 48 metros de largura, o MSC Shuba B, receberá contêineres carregados de frutas para exportação.

Mesmo diante da crise global, provocada pelo novo coronavírus, a expectativa é que as exportações de frutas apresentem um crescimento em torno de 10% neste ano, puxado, dentre outros fatores, pela queda da produção de melão na Europa e pela alta do dólar, que deixou o produto brasileiro mais competitivo no exterior.

“Tenho conversado com produtores e essa expectativa de 10% eu acho modesta. Acredito que será mais, porque o início desta safra já está superando as expectativas, o que é um indicativo que pode aumentar bastante esse volume”, diz Sílvio Carlos, secretário executivo do Agronegócio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet).

No primeiro semestre, as exportações de melão, principal fruta voltada ao comércio exterior, cresceram 135%, somando US$ 14,1 milhões. Em igual período do ano passado, o Ceará havia exportado US$ 6 milhões.

Logo após o início da quarentena, em abril, havia preocupação no setor com relação aos contratos de compra da safra deste ano. Mas, segundo Luiz Roberto Barcelos, diretor institucional da Associação das Empresas Produtoras Exportadoras de Frutas e Derivados (Abrafrutas), as encomendas da Europa acabaram surpreendendo e superando a programação de cultivo.

As expectativas estão mudando muito. Há uns dois meses a gente estava bem negativo. Agora está mais positivo, principalmente, porque o câmbio está favorável”.

Barcelos, que também é sócio e diretor de produção da Agrícola Famosa, maior exportadora de frutas do País, diz que devido ao novo coronavírus, a Espanha, principal produtor europeu de melão, enfrentou dificuldade para contratação de mão-de-obra, o que acabou pressionando os custos de produção e aumentando a demanda pelo produto brasileiro.

“Eles tiveram problema para contratar os imigrantes, com isso, diminuíram consideravelmente a produção local”.

A Agrícola Famosa, que tem cerca de 9 mil hectares cultivados, espera exportar em torno de 150 mil toneladas neste ano, um incremento de pouco mais de 10% em relação ao volume registrado no ano passado (135 mil toneladas).

Movimentação

Em 2019, o Porto do Pecém movimentou 11.578 contêineres (TEUs), volume 42% superior ao de 2018. Segundo Raul Viana, gerente de Negócios Portuários do Complexo do Pecém, o crescimento foi impulsionado pelo setor da fruticultura nos estados do Rio Grande do Norte, Bahia, Pernambuco, além do Ceará.

De acordo com dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), de janeiro a junho de 2020, o Ceará foi 11º Estado em exportações, com o embarque de 2 milhões de toneladas, das quais 1,5 milhões foram enviadas pelo Porto do Pecém.

Produção nordestina

Diante dos resultados iniciais desta safra, Raul Viana diz que a expectativa é de que haja um crescimento de pelo menos 30% com relação aos volumes de 2019. “E esse crescimento se deve também ao fortalecimento da fruticultura, principalmente, nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Bahia e Pernambuco”, destaca. “Juntos, esses estados produzem para países como Estados Unidos, Holanda, Reino Unido e Espanha, que são hoje os que mais recebem as frutas exportadas através do Porto do Pecém”, diz.

Além de escoar as frutas produzidas no Ceará, o Porto do Pecém vem sendo a principal porta de saída para as frutas produzidas na região do Vale do Rio São Francisco, sobretudo uvas e mangas. Em 2019, o porto cearense foi responsável por 38% das exportações dos produtores da região, enquanto o porto de Salvador escoou 31% e o de Natal, 21%, segundo dados da Associação dos Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport).

“O Pecém apresenta um custo operacional menor do que os demais e um trâmite mais rápido”, diz Tássio Lustoza, gerente-executivo da Valexport. Essas vantagens acabam compensando os custos logísticos decorrentes da maior distância do porto cearense em relação ao de Salvador.

De acordo com Tássio, a expectativa dos produtores do Vale do São Francisco é atingir, neste ano, o mesmo patamar de produção de 2019, quando a região registrou recorde de exportação. “A gente entende que está pegando a retomada, pós-pandemia, em um bom momento”.

Novas rotas

Para este ano, o Ceará deverá iniciar as exportações para a China. Mesmo que ainda em pequenos volumes, a expectativa é de que haja um grande potencial a ser explorado no mercado asiático nos próximos anos. “Acredito que a partir de outubro deve sair alguma coisa (para a China). O volume será pequeno, mas o potencial é grande”, diz Barcelos. Ele diz ainda que o volume enviado para o Oriente Médio também deverá crescer.

Segundo Viana, o envio de melão para o mercado chinês poderia “facilmente” triplicar os atuais volumes de exportação da fruta via Pecém. “Contudo, é necessário criar uma solução logística que atenda o ‘shelf-life’ (tempo de prateleira), uma vez que é uma carga perecível e não suportaria uma viagem de 40 dias somente na parte do transporte marítimo. É necessário que todos da cadeia logística se juntem para que seja desenvolvida uma solução para o atendimento deste mercado”.

Além das linhas que já ligavam o Porto do Pecém aos Estados Unidos e ao norte da Europa, em agosto do ano passado, o porto cearense começou a operar um nova linha ao continente europeu com direção a portos no Mediterrâneo, como Valência (9 dias de viagem) e Barcelona (11 dias), na Espanha, e Gênova (13 dias), na Itália. Esse novo serviço, operado pela Mediterranean Shipping Company (MSC), permitiu a conexão dos contêineres de frutas a países do Oriente Médio, a partir de Valência.

Fonte: Diário do Nordeste