logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

Pesquisa: 40% da mão de obra agrícola em países em desenvolvimento é feminina

Segundo o Sebrae, no Brasil, cerca de 1 milhão de mulheres comandam trabalhos no campo no Brasil

 

Nos últimos anos, as mulheres têm conquistado espaço e contribuído ativamente para a evolução do setor agrícola. Um estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) em conjunto com a Embrapa e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indica que hoje as mulheres administram mais de 30 milhões de hectares (8,4% das áreas rurais do país). De acordo com levantamento do Sebrae, são cerca de 1 milhão de representantes femininas comandando propriedades do agronegócio no Brasil.

Para a Engenheira Agrônoma Gabrielle Masson, esse cenário é positivo, pois representa um avanço no que diz respeito à diversidade e ao respeito à presença de mulheres no campo, além de uma busca incessante por uma sociedade muito mais diversa e inclusiva.

“O crescimento da presença feminina no agronegócio é um sinal de que estamos evoluindo enquanto sociedade. Precisamos ter em mente que a mulher exerce papel fundamental, especialmente pelas contribuições em estudos, pesquisas, planejamentos estratégicos, desenvolvimento de mercado, implementação de metodologias e liderança”, diz Gabrielle. “Vale ressaltar que as mulheres têm um papel muito importante nos avanços tecnológicos que estão chegando ao campo, o que só reforça que, embora ainda seja uma realidade, o preconceito vem diminuindo e mostrando que mulheres nos papeis de liderança e no campo vêm se destacando”, completa.

Safra goiana de banana deve totalizar 204 mil toneladas em 2023 

 Desafios e protagonismo no campo 

Dayanne Lustosa Mororó, Engenheira Agrônoma diz sentir-se feliz em ver o quanto a presença feminina está crescendo na agricultura em diferentes cargos e posições. “Fui gerente de fazenda no Amapá e sinto orgulho da minha trajetória e determinação nesse meio que, alguns anos atrás era tão masculino. Infelizmente, ainda enfrentamos algumas resistências por sermos mulheres e mães que ocupam cargos de produtoras e agrônomas. São alguns desafios que devem ser superados, mas hoje estamos podendo mostrar à sociedade que somos capazes de conduzir e contribuir para o desenvolvimento da agricultura”, diz.

O Congresso Nacional das Mulheres no Agronegócio (CNMA) é uma amostra disso. Criado em 2016 com objetivo de contribuir para o desenvolvimento e a ampliação da atuação das mulheres em diferentes esferas do agronegócio, conta hoje com mais de 1900 participantes femininas e está presente em 25 estados brasileiros. Somado a isso, muitas profissionais estão se formando em áreas relacionadas à agricultura e entrando no mercado de trabalho.

Em 15 de outubro foi celebrado o Dia Internacional da Mulher Rural, data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para elevar em todo o mundo a consciência acerca do papel que a mulher exerce no campo. “Datas como essas devem ser celebradas com conquistas reais”, afirma Gabrielle. Segundo ela, “ser mulher no agronegócio é ser protagonista de suas próprias escolhas com coragem e determinação. Sinto-me orgulhosa em fazer parte desse movimento de mudança na representatividade feminina no setor de maior relevância da economia brasileira”.

Fonte: Canal Rural