logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

Biofertilizante pode reduzir queda de frutos na citricultura

Produto é fabricado a partir da molécula NAC que traz efeito antioxidante, reduz estresse das plantas e permite maior absorção dos nutrientes

A patologia é causada pela bactéria Candidatus Liberibacter spp e provoca desfolha, seca e morte dos ramos.

greening

Os frutos apresentam maturação irregular, redução de tamanho, deformação e queda intensa.

produtor rural Emerson Fachini, do município de Monte Azul Paulista, no interior de São Paulo, sabe bem como essa debilidade prejudica a produção.

“Hoje, o greening é o carro chefe dos problemas. A perda é muito grande para o setor. Há perda de produtividade, perda de qualidade, é uma briga constante. Ele [greening] entrou aqui no Brasil em 2004 e a gente está tentando entender melhor como funciona toda a fisiologia da planta para vencer essa luta”, diz.

Pesquisa

A doença ainda não tem cura definitiva, mas os produtores buscam encontrar ferramentas que amenizem os prejuízos.

Uma dessas soluções é um novo biofertilizante que surgiu de uma pesquisa realizada pelo Instituto Agronômico de Campinas ((IAC-APTA).

O estudo teve início há 20 anos apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), com o intuito de aprofundar a causa do amarelinho, outra patologia causada pela Clorose Variegada dos Citros (CVC), que atinge os pomares de laranja.

Com a pesquisa avançada foi percebido que a forma que a Clorose causava doenças nas plantas era similar as patologias presentes em seres humanos.

A partir daí, a solução foi buscar uma composição que agisse com o mesmo princípio.

Mas para isso teria que ser uma molécula sustentável e que fosse economicamente viável para a agricultura.

A descoberta da molécula NAC para o combate ao greening nos pomares de laranja veio mais tarde em 2013.

pesquisadora do IAC, Alessandra de Sousa, e sua equipe chegaram à conclusão de que a molécula N-Acetil-Cisteína (NAC) traria bons resultados, pois já era usada para tratamento de infecções bacterianas das vias aéreas de humanos.

O NAC tem propriedade de quebrar o campo dessas bactérias capazes de colonizar as folhas, mas também é uma molécula antioxidante. Como o maior problema causado pelo greening é a formação de radicais livres, que estressam e envelhecem a planta, um ativo que combatesse os radicais livres poderia diminuir os efeitos do greening na lavoura.

“A gente viu que os radicais livres diminuíram e aquelas enzimas boas, que são as enzimas que destoxificam os radicais livres aumentaram. Com isso diminuem a Clorose e a quantidade de bactérias nas plantas”, ressalta a pesquisadora.

Startup desenvolveu formulação via fertilizante

O próximo passo foi implantar a descoberta no campo.

A startup CiaCamp elaborou pesquisas nos pomares até chegar em um fertilizante produzido com a molécula NAC.

“É um biofertilizante com uma tecnologia que traz aminoácido diferenciado que age como um equilibrador, pois é um antioxidante que reduz o estresse da planta”, destaca a CEO da CiaCamp, Simone Picchi.

Outro ponto positivo é que o produto traz sustentabilidade para a cadeia produtiva.

“Ele é absorvido pela planta, porque no ciclo da planta entra como cisteína, que é um aminoácido comum. Ele não é residual e não agride o meio ambiente. Ele prepara a planta para responder melhor a doença e não vai afetar, por exemplo, as abelhas, no trabalho de polinização”, complementa.

Resultados

O fertilizante foliar organomineral é fabricado com exclusividade pela Amazon Agrosciences, que batizou de Granblack®.

O produto traz alta concentração de carbono orgânico, mix de aminoácidos e micronutrientes que fortalecem as plantas e permitem maior absorção dos nutrientes essenciais para a saúde.

Na fase de testes a campo, com áreas cultivadas de dois a quatro anos, foi percebido uma redução de até 15% em relação à queda de frutos nos pomares.

CEO da empresa, Manoel Palma, destaca que o resultado pode ser observado a partir de dois anos de uso.

“Ao mesmo tempo que a produtividade é implementada, a longevidade aumenta nas plantas e incrementa qualidade ao fruto. Então, nós temos muitos benefícios e sem o uso dessa ferramenta as plantas continuariam definhando e mais tarde o produtor acabaria exterminando a planta”, comenta Palmas.

O portfólio conta ainda com outro fertilizante, o Íkone®, que também utiliza a molécula NAC, mas é voltado para o combate do cancro citros, que prejudica a qualidade dos frutos e diminui a fotossíntese.

“Neste caso, o aglomerado bacterniano está na superfície das folhas. O Íkone® foi desenvolvido para trabalhar diretamente desobstruindo esse aglomerado bacteriano na superfície das folhas, assim as folhas começam a fazer fotossíntese e a produtividade é incrementada”, finalizou.

Fonte: Canal Rural