logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

Pesquisa medirá emissões de gases de efeito estufa na produção de uvas de mesa no Vale do São Francisco

medirá emissões de gases de efeito estufa na produção de uvas de mesa no Vale do São Francisco

Foto: Fernanda Muniz Bez Birolo

 

Projeto de pesquisa liderado pela Embrapa Semiárido (Petrolina-PE) busca avaliar as emissões de gases de efeito estufa na produção de uvas de mesa no Vale do São Francisco, além dos estoques de carbono no solo. O objetivo é orientar práticas que mitiguem as emissões e embasar políticas públicas relacionadas à produção de uvas de baixa emissão de carbono.

A região do Vale do São Francisco, que engloba localidades nos estados de Pernambuco e Bahia, é hoje a maior produtora de uvas de mesa do Brasil, também liderando as exportações nacionais. A cadeia é uma importante geradora de divisas e empregos na região e tem buscado aliar sua produção às tendências de mercado por produtos com baixo impacto ambiental.

O projeto da Embrapa surge, assim, como um aliado. A coordenadora dos trabalhos, a pesquisadora Diana Signor, explica que a iniciativa irá contribuir tanto no aprimoramento dos inventários nacionais de emissões de gases do efeito estufa, quanto na definição de sistemas de produção de baixa emissão de carbono para a uva.

“Atualmente os inventários nacionais apresentam informações estimadas para as áreas de fruticultura do Vale do São Francisco, já que não são feitas medições locais. Com o projeto, buscaremos obter informações precisas e disponibilizar dados atualizados sobre os gases emitidos na produção de uva, entre eles o gás carbônico, o metano e o óxido nitroso, além de propor ações mitigadoras para a atividade”, ressalta Signor.

A pesquisadora acrescenta que, no futuro, os resultados poderão também culminar com a geração de um selo de baixa emissão de carbono, a exemplo do que já acontece no Brasil para carne, leite e está em andamento para a soja.

Financiado pelo CNPq, o projeto foi aprovado no final de 2022, com execução iniciada em fevereiro de 2023 e previsão de conclusão em 2025. As atividades envolvem avaliações em três áreas de produção no Vale do São Francisco e participação de rede de pesquisadores da Embrapa e de instituições parceiras.

Fonte: Embrapa