logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

As exportações de uva e manga do Vale do São Francisco devem crescer 25%

As frutas do Vale do São Francisco são exportadas pelos portos de Pecém, Natal e Salvador

Os produtores estão otimistas com a atual safra de uva e manga de mesa do Vale do São Francisco. Foto: Portal de Notícias Juazeiro-Petrolina.
Os produtores estão otimistas com a atual safra de uva e manga de mesa do Vale do São Francisco. Foto: Portal de Notícias Juazeiro-Petrolina. – Foto: Portal de Notícias Juazeiro-Petrolina

As exportações de uva e de manga de mesa do Vale do São Francisco devem crescer este ano, segundo estimativas feitas pela Associação dos Produtores e Exportadores de frutas e hortigranjeiros do Vale do São Francisco (Valexport).

“A nossa expectativa é de ter uma exportação, na média, 25% maior do que a realizada em 2022, que foi um ano ruim. Este ano, o tempo foi bom e também alguns dos nossos concorrentes foram atingidos pelo El Niño e vão ter menos frutas para vender”, resume o presidente da Valexport, José Gualberto.

Quase nada desta produção vai sair por Suape, enquanto o Porto de Pecém vai realizar o primeiro embarque de frutas nesta sexta-feira (25).

O fenômeno climático El Niño provocou muito calor, prejudicando a floração das árvores – em países como Peru, Equador e México -, os principais “concorrentes” da exportação de fruta do Vale do São Francisco para os países da Europa e Estados Unidos.

“Este ano, a nossa expectativa é de exportar 270 mil toneladas de manga e 80 mil toneladas de uva de mesa”, afirma Gualberto.

De um modo geral, no ano passado, os produtores do Vale diminuíram as exportações em cerca de 15% -com relação a 2021 – por causa do grande volume de chuvas extemporâneas que atingiram a região. A última safra boa da região foi a de 2021, quando foram exportadas 246 mil toneladas de manga e 75 mil toneladas de uva de mesa. Em 2022, aquela região enviou 211 mil toneladas de manga e 52 mil toneladas de uva de mesa ao exterior. Geralmente, as exportações representam cerca de 20% a 25% da produção total das frutas.

“O preço ainda é uma incógnita, porque com um volume maior de produção, o valor da fruta tende a cair. Esperamos um ano com melhor retorno econômico”, argumenta Gualberto.
O polo de fruticultura irrigada do Vale do São Francisco tem como cidades polo Petrolina, em Pernambuco, e Juazeiro, na Bahia, se estendendo por vários municípios baianos e pernambucanos próximos. Nesta região, são mais de 200 produtores, segundo a Valexport. A principal janela de exportação do Vale ocorre entre agosto e setembro.

Geralmente, as frutas do polo do São Francisco vão para o exterior, embarcando pelos portos de Pecém, na Grande Fortaleza; Natal, no Rio Grande do Norte, e Salvador, na Bahia. “Quase nada ou zero vai sair pelo Porto de Suape”, diz Gualberto. E acrescenta: “quem determina o porto onde a fruta vai embarcar é o armador, que coloca o navio onde tem mais facilidades para operar. Geralmente, é o mesmo navio que vem do Sul e sobe, fazendo escalas em Salvador, Suape, Natal e Pecém, a última parada no Brasil antes do navio seguir para o exterior”, cita Gualberto. Segundo ele, os armadores não estão oferecendo escalas em Suape.

Ele também diz que os produtores ficam com mais tempo para entregar a fruta, quando o embarque ocorre em Pecém . “O tempo do navio atracar em Salvador, desembarcar (os produtos), embarcar até chegar em Pecém pode dar uma diferença de uns três a quatro dias”, explica Gualberto, acrescentando que isso faz diferença. Em anos anteriores, os empresários do setor reclamaram muito dos preços de movimentação de contêineres em Suape que é operado por um único terminal de contêineres.

A exportação de frutas no Porto de Pecém

A temporada de 2023/2024 de exportação de frutas frescas pelo Terminal Portuário do Pecém começa na noite desta sexta-feira (25). O primeiro embarque é de 2,5 mil toneladas, composto por melões, melancias, mangas e uvas produzidas nos estados do Ceará, Rio Grande Norte, Pernambuco e Bahia. Neste primeiro embarque, 98% serão destinados aos portos de Roterdã, na Holanda, e de Londres, na Inglaterra. O restante seguirá para outros portos da Europa.

Em Pecém, a exportação vai começar com o MSC Sofia Celeste, primeiro navio dedicado ao serviço de exportação da safra 2023/2024 de frutas para a Europa.

“Essa operação marca o início da temporada das frutas, um dos nossos carros-chefes. Estamos com uma expectativa muito positiva com a safra este ano, tanto para a Europa quanto os Estados Unidos”, afirma o diretor Comercial do Complexo do Pecém, André Magalhães.

Segundo o gerente da MSC em Fortaleza, Daniel Soares, o Pecém é um terminal que oferece qualidade e segurança, onde 100% das frutas são pesadas e escaneadas, condições que favorecem e viabilizam a exportação. A empresa começou a oferecer o serviço de embarque de frutas com destino ao exterior no porto cearense em 2017.
Fonte: FolhaPe