logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

DIA MUNDIAL DA RECICLAGEM (17 DE MAIO)

 

Reciclagem de embalagens de isopor* avança no Brasil

No Agro, cresce cada vez mais as parcerias para a logística reversa das embalagens usadas para transporte de FLVs

Com Programa Reciclar EPS, Termotécnica tem contribuído para ampliar a conscientização sobre a reciclagem pós-consumo deste material

No mais recente levantamento PICPlast realizado anualmente pela MaxiQuim, em 2022 foram reciclados 33,8% do EPS (mais conhecido como isopor*) utilizados no país. Entre os diversos tipos de plásticos, o índice de reciclagem de EPS pós-consumo só perde para o de PET, que é de 53,6%. Uma das maiores fabricantes de embalagens em EPS da América Latina e líder no segmento no Brasil, a Termotécnica é pioneira na reciclagem de EPS pós-consumo em todo o país e vem aumentando a rede de parceiros para logística reversa deste material em shoppings, condomínios, cooperativas , gestores de resíduos, presídios, prefeituras, indústrias, grandes varejistas e distribuidores, entre outros.

Antecipando-se à PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos –, desde 2007 a Termotécnica vem sendo reconhecida no Brasil e no mundo por sua contribuição para dar nova vida às embalagens pós-consumo de EPS. Neste período, a empresa já recuperou e reciclou aproximadamente 48 milhões de quilos de EPS – o que equivale a uma área de mais de 10 estádios do Maracanã.

Há quase duas décadas, a Termotécnica tem feito um trabalho consistente em várias frentes para que a recuperação e reciclagem do EPS seja viável e viabilizada. No entanto, para Albano Schmidt, presidente da companhia, todos nós, como sociedade, temos que ser conscientes de que uma vez que um material, produto ou embalagem seja utilizado, temos a responsabilidade individual por sua correta destinação. Mas para isso é preciso também que os agentes públicos e privados ofereçam condições de fácil acesso ao descarte destes materiais recicláveis à população, condomínios e empreendimentos, com um amplo e conectado sistema de gestão de resíduos nas cidades“.

Atualmente o Programa Reciclar EPS gera cerca de 100 empregos diretos, conta com diversos Pontos de Coleta distribuídos pelo país, 65 indústrias clientes e importadoras parceiras, 60 gestores de resíduos, 100 cooperativas de recicladores, o que impacta diretamente mais de cinco mil famílias.

“Sendo a única fonte de renda de recicladores autônomos e cooperativas, com esse trabalho aumentamos a demanda, valorizamos e ampliamos os ganhos destas famílias”, afirma Albano Schmidt. 

O empresário do setor plástico vem sendo, há mais de duas décadas, um promotor da causa da logística reversa, da reciclagem e da economia circular.

Demanda pela reciclagem pós-uso das embalagens DaColheita é crescente e Termotécnica expande parcerias para reciclagem global

Os atributos de sustentabilidade das embalagens em EPS atraem cada vez mais a atenção de novos mercados. A partir de 2018, ao iniciar o fornecimento de embalagens conservadoras para a exportação de frutas –, um dos produtos de maior valor agregado do agronegócio brasileiro –, a Termotécnica reforçou suas parcerias com as empresas do Global Packaging Alliance, formada por dezenas de fornecedores que garantem a reciclagem de embalagens de EPS em países como Portugal, Espanha, Alemanha, Holanda, França, Reino Unido e Estados Unidos.

Queremos levar a conscientização para a destinação correta e reciclagem deste material para outros mercados. Assim como já fazemos no Brasil, com recicladores parceiros em outros países, juntos podemos expandir o processo de logística reversa e reciclagem do EPS, fazendo a economia circular acontecer na prática”, afirma Albano Schmidt,

Estado sede da Termotécnica, Santa Catarina também amplia rede de parceiros do Programa Reciclar EPS

 

Em Santa Catarina a Termotécnica conta com parceiros de cooperativas para reciclagem de EPS pós-consumo e com gerenciadores de resíduos (pós-indústria) e esta cooperação acontece também há alguns anos diretamente com os municípios 

Uma apaixonada pela causa do meio ambiente e pela inclusão e valorização das famílias de baixa renda, incentivando novos empreendedores da cadeia de reciclagem, a fundadora e presidente da Reciclavale – Cooperativa de Trabalho de Reciclagem do Vale do Itajaí – Marli Martins, desenvolve esse trabalho desde 2008.

Hoje a cooperativa, com sede em Itajaí, envolve diretamente 16 famílias que vivem do beneficiamento e comercialização deste material. A Reciclavale conta com um caminhão para coletar o EPS nas cidades do Alto Vale do Itajaí e em todo o Litoral Norte catarinense.

 “A parceria sustentável com a Termotécnica vem de longa data e é fundamental para garantir essa renda aos nossos associados”, diz. Além da geração de emprego e renda, por meio do Instituto Reciclavale, Marli desenvolve um trabalho social e de educação ambiental nas escolas.

Joinville, sede da Termotécnica, é a cidade que mais recicla EPS pós-consumo no país. Severino Tavares Nunes, mais conhecido como Primo, e a filha Emília, participam e estão à frente da administração da Assecrejo – Associação Ecológica de Recicladores e Catadores de Joinville -, no Bairro Aventureiro. Dos 23 anos da associação, há pelo menos 17 anos eles contam com a parceria com a Termotécnica.

“No início, não se dava a devida atenção à destinação correta do isopor para reciclagem. Com o trabalho educativo e a dedicação da Termotécnica na valorização destas embalagens pós-consumo, hoje recebemos um volume bem maior do material vindo da coleta seletiva”, diz. São 20 associados e todas despesas e renda obtida com a venda do material é compartilhada em partes iguais.

Também em Joinville, a presidente da Associação de Recicladores do Cubatão, Dulce Campagnaro Vicentainer, diz que a Termotécnica está junto nessa jornada desde o início da cooperativa, há 10 anos.

A cada ano aumenta a quantidade de isopor para triagem vindo da coleta seletiva de Joinville. Além de ser uma renda importante para as 15 famílias associadas, também é muito importante para o meio ambiente”, fala.

E mais recentemente, desenvolveu o Programa Condomínio Sustentável tendo como slogan “Cidadão responsável mora em condomínio sustentável”. Iniciando por Joinville como a cidade-piloto do programa, a Termotécnica apresenta soluções aos condomínios residenciais, industriais e comerciais para implementação de um sistema de educação, orientação e auxílio referente ao descarte de resíduos recicláveis.

Em parceria com a Domus Condomínios, cerca de 200 condomínios de Joinville e região já foram impactados por esta iniciativa sustentável. A partir destes resultados do projeto piloto, a Termotécnica pretende ampliar o projeto para outras cidades e estados.

 

Em São Paulo, a rede de parceiros da Termotécnica para a recuperação e reciclagem do isopor* vem aumentando 

Para ampliar o volume de captação do material a ser reciclado, a Termotécnica vem buscando expandir a cobertura do Programa Reciclar EPS no país. Conta com uma rede de parceiros como cooperativas e associações de recicladores, gerenciadores de resíduos e prefeituras, entre outras, de forma a reforçar a conscientização para a destinação correta, reciclagem e reintrodução do EPS pós-consumo e pós-indústria na cadeia produtiva.

Uma dessas parcerias é com a empresa de gestão ambiental Andrade Paulista, responsável pelo gerenciamento de resíduos de 54 shoppings em todo o Brasil. Atualmente a Andrade Paulista já direciona para as unidades da Termotécnica em Manaus (AM), Rio Claro (SP), e São José dos Pinhais (PR), as embalagens pós-consumo provenientes de praças de alimentação e de lojas de shoppings.

 “A nossa parceria com a Termotécnica vem crescendo e queremos incluir cada vez mais shoppings nesta destinação sustentável da sucata de EPS que ganha nova vida”, diz a diretora da Andrade Paulista, Tereza Cristina Silveira de Andrade.

Alinhada aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 11 – Cidades e comunidades sustentáveis e 12 – Consumo e produção responsáveis, a Termotécnica vem transformando um material antes rejeitado nas coletas seletivas em um insumo valorizado no mercado e contribuindo para a inclusão sócio-produtiva de famílias que vivem desta cadeia de reciclagem. A companhia tem um programa junto à cooperativas de recicladores com objetivo de estreitar ainda mais o relacionamento, valorizar e reconhecer o trabalho desses importantes parceiros para captação, logística reversa e reciclagem da sucata pós-consumo de EPS.

Em Rio Claro (SP), onde a Termotécnica tem uma unidade de fabricação de embalagens de EPS para atender principalmente as indústrias das linhas branca e de conservadoras para produtores de frutas do interior paulista, a empresa compra a sucata de embalagens de EPS-pós consumo no mercado. Uma das fornecedoras é a Cooperviva – Cooperativa de Trabalho dos Catadores de Material Reaproveitável de Rio Claro. Com mais de duas décadas, a Cooperviva conta com 37 associados, sendo que deste total, 95% é constituído de mulheres, que são responsáveis pelo sustento de cerca de 200 famílias.

Dos materiais reciclados que passam pela triagem, beneficiamento e comercialização na cooperativa, 50% chegam por meio da coleta seletiva municipal e os outros 50% são provenientes dos próprios catadores porta a porta e dos dois veículos próprios da cooperativa que fazem um roteiro de coleta nos comércios e indústrias.

 “A demanda pela compra do EPS tem aumentado e, consequentemente, também o incentivo e valorização destes trabalhadores para a coleta deste material”, afirma Valdemir dos Santos de Lima, que faz o apoio técnico para os cooperados.

Em Manaus (AM), a Termotécnica também conta com uma unidade de reciclagem junto à sua fábrica

Com unidade em Manaus desde 1980 para atender os fabricantes de eletroeletrônicos da Zona Franca com suas embalagens protetoras, a Termotécnica capta e recicla as embalagens pós-consumo de vários parceiros. Entre as mais recentes parcerias estão os Shoppings Manauara e Amazonas, que armazenam o material e, a partir de um certo volume, a empresa compra e transporta as embalagens em EPS para a unidade.

Assim como em Manaus, nas demais unidades da Termotécnica em cinco estados, esse material pós-consumo é processado e transformado em nova matéria-prima pela empresa, que insere o novo produto no mercado com a marca Repor, fornecendo poliestireno reciclado para fabricantes de produtos plásticos, a citar como exemplos carretéis para esparadrapos, peças técnicas para eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos, rodapés, molduras, cachepôs, entre outras inúmeras aplicações. É a economia circular acontecendo na prática.

Em Sergipe, Termotécnica contribui com a reciclagem de marmitas descartáveis utilizadas nas refeições de detentos

A Termotécnica, em parceria com o Sistema Prisional do Estado de Sergipe, está realizando a coleta e reciclagem das bandejas de marmitas usadas nas refeições dos detentos.

A Termotécnica não fabrica esses tipos de bandejas descartáveis, porém como domina o processo de reciclagem do EPS e conta com uma rede de parceiros em todo o país, busca contribuir para a causa ambiental, com a circularidade destes materiais e reintrodução nas cadeias produtivas.

Iniciado no Copemcan, o projeto-piloto desenvolvido pelo Programa “Reciclando na Prisão”, da Secretaria de Estado da Justiça e de Direito do Consumidor de Sergipe -, deve ser expandido também para outros três presídios: Presab, Prefem e Cadeião de Socorro.

Segundo o policial Daniel Rodrigues, coordenador do programa, o contato com a Termotécnica ocorreu a partir de uma pesquisa de empresas que fazem a reciclagem deste material. Atualmente, 95% dessas embalagens nestas quatro unidades já estão sendo destinadas para reciclagem.

Nesta parceria recente, a Termotécnica já recolheu e reciclou mais de 12 toneladas deste material pós-consumo.

Para estarem aptas à destinação para a reciclagem, as bandejas das marmitas não podem ter resíduos de gordura e de alimentos e esse processo de limpeza é feito pelos próprios detentos. A partir de um determinado volume, a Termotécnica coleta os fardos com as marmitas nos presídios e encaminha para sua unidade de reciclagem em Joinville (SC).

No Paraná, pioneirismo na triagem da sucata de EPS vindo da coleta seletiva

Irineu Guimarães, presidente da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis

Moranguinho, de São José dos Pinhais (PR), onde a Termotécnica também tem uma unidade fabril e de reciclagem, é um dos pioneiros na triagem da sucata de EPS que chega da coleta seletiva do município. Ele conta que a renda proveniente da parceria com a Termotécnica beneficia em muito os 11 associados.

Maria Josélia Oliveira de Sá, a Dona Zélia, presidente da Associação de Catadores de Recicláveis Comunidade Unida de Fazenda Rio Grande (PR), também reforça a importância da parceria para os nove associados e suas famílias. A associação também conta com o apoio da prefeitura municipal que ampliou o seu depósito para comportar o aumento dos materiais que chegam para triagem e reciclagem. “Essa parceria público-privada é muito importante para dar a destinação correta aos resíduos e também para a geração de renda destas famílias”, afirma Evellyn Renata Bereza Bueno, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Buscando ampliar ainda mais a cobertura de parceiros para reciclagem do EPS pós-consumo em todo o estado do Paraná, a Termotécnica mantém parceria com a startup de soluções socioambientais A Riqueza dos Resíduos, de Curitiba. Entre as iniciativas houve uma aproximação com o Grupo R20 (Associação dos Municípios do Paraná para a implementação da Logística Reversa) para apresentar o Programa Reciclar EPS que, a partir do uso do aplicativo Transbordo desenvolvido pela startup, irá facilitar a Logística Reversa do EPS no Estado.

Na parceria com a Termotécnica, a startup realiza o conceito de carga digital. Ou seja, os caminhões de coleta passam nesses locais de reciclagem em um roteiro pré-definido formando uma carga completa para ser entregue nas unidades da Termotécnica em São José dos Pinhais (PR) e em Joinville (SC).

Quer ser um parceiro da Termotécnica?

Organizações públicas e privadas que quiserem se juntar ao Programa Reciclar EPS podem fazer o cadastramento diretamente no portal Sou Reciclável (soureciclavel.com.br). O site foi criado para esclarecer, orientar e potencializar a reciclagem do EPS destas embalagens pós-consumo. Ali há informações de porquê reciclar esse material, como reciclar e, muito importante, onde encontrar os pontos de descarte mais próximos em todo o país.

Reconhecimento do mercado e atuação internacional

O Programa Reciclar EPS da Termotécnica é hoje reconhecido também mundialmente como um sucesso e exemplo a ser seguido por outros fabricantes que utilizam matéria-prima reciclável. Com essas iniciativas, a Termotécnica tem conquistado reconhecimentos nacionais e internacionais pelos resultados consistentes ao longo de quase duas décadas. A companhia foi considerada uma das empresas mais sustentáveis do país no Guia Exame de Sustentabilidade e foi reconhecida no Prêmio FIESP de Mérito Ambiental, com menção honrosa na categoria médias e grandes empresas, além do Prêmio Plástico Sul de Sustentabilidade & Inovação.

*isopor é uma marca registrada de empresa terceira