logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

Plantio de culturas energéticas pode minimizar perda de biodiversidade

Estudo foi detalhado em um artigo publicado no Journal of Applied Ecology

Foto: Canva

 

De acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Surrey, as culturas energéticas são cruciais na luta para proteger a biodiversidade e limitar as mudanças climáticas. As culturas energéticas podem ser usadas para produzir calor, eletricidade e até biocombustíveis, como o bioetanol. Elas se tornarão mais importantes à medida que o mundo se afastar dos combustíveis fósseis.

O posicionamento estratégico aumentará a biodiversidade

Uma análise detalhada demonstrou que o plantio de culturas energéticas em terras agrícolas existentes em lugares como a China e a Europa Central poderia minimizar os danos à biodiversidade em comparação com o plantio em outros lugares.

O plantio nesses locais poderia então permitir que terras agrícolas em outros lugares fossem restauradas para habitats naturais, maximizando os benefícios para a biodiversidade.

Sophie Tudge, que realizou a pesquisa no Centro de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Surrey, explicou:

“Nosso estudo sugere que, no que diz respeito à biodiversidade, é sempre melhor restaurar as terras agrícolas à natureza em vez de replantá-las com culturas energéticas.

“No entanto, somos realistas. No futuro, mais combustível virá de plantações, e é muito melhor plantá-las em fazendas existentes do que destruir os habitats naturais remanescentes.

“Mostramos que o local de plantio dessas culturas faz uma enorme diferença para a quantidade de espécies que continuam a prosperar.”

Onde as culturas energéticas podem produzir os maiores rendimentos?

Quando as terras agrícolas são restauradas à natureza, elas criam habitats para muitas espécies. Usar essa terra para plantar culturas energéticas pode ser uma oportunidade perdida para melhorar a biodiversidade.

Como elas precisam ser plantadas em algum lugar, os pesquisadores calcularam quais locais teriam o menor impacto líquido sobre a biodiversidade.
Eles estudaram quais habitats continham a mistura mais rica de espécies e compararam essas informações com mapas de uso da terra e informações sobre onde as culturas energéticas poderiam produzir os maiores rendimentos.

Os pesquisadores descobriram que o dano à biodiversidade poderia ser minimizado em locais como a Europa Central e a costa leste dos EUA e da China.
No entanto, outros fatores também serão importantes na escolha do local de plantio, incluindo a segurança alimentar, os incentivos para os agricultores e a infraestrutura de energia ao redor.

Fonte: Agrolink