logo-abrafrutas
 - 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es
[gt-link lang="en" label="English" widget_look="flags_name"]
[gt-link lang="es" label="Españhol" widget_look="flags_name"]

ENTRE EM CONTATO

+55 61 4042-6250

Manga brasileira quer entrar na China

O mercado brasileiro de manga é muito ativo e dinâmico, com grande dimensão internacional e em constante busca por novos mercados.

O gerente executivo da Valexport, Associação dos Produtores e Exportadores de Produtos Hortícolas e Derivados do Vale do São Francisco, Tassio Lustoza Silva Gomes, explica os desafios e desafios da indústria brasileira de manga.

Tassio Lustoza Silva Gomes é graduado em Gestão de Recursos Humanos, com especialização em Comércio Exterior. Coordena os Programas de Exportação de Manga para Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul, Chile e África do Sul.

O setor em números

Tassio explica que “ no Brasil temos 67 mil hectares produzidos junto com 1,4 milhão de toneladas por ano, o que dá uma produtividade média de 20 toneladas por hectare. Desse total, exportamos apenas 250 mil toneladas, o restante fica para o mercado interno ”.

Desafios

Em relação ao capítulo sobre desafios e desafios, nosso entrevistado comenta que “um desafio que temos é a concentração da colheita da manga em determinados períodos, por exemplo, no segundo semestre, quando a manga está muito concentrada e os preços complicados aqui no Brasil”.

“Temos outro grande desafio, que é difundir a tecnologia entre os produtores em geral, porque os médios e grandes estão preparados, mas os pequenos nem tanto, e queremos levar tecnologia mais acessível aos produtores”, afirma Tassio.

“Além disso, os custos de produção no Brasil são muito elevados e esse é um grande desafio para o nosso setor de manga”, destaca o gerente executivo da Valexport.

Fortalezas e debilidades

Já abordando a área de pontos fortes e fracos da indústria brasileira de manga, Tasio destaca que “em nossa região, no Vale do São Francisco, nossas frutas têm uma qualidade reconhecida internacionalmente, bem como temos um câmbio favorável para exportação, e como consequência da COVID 19, estão sendo consumidos mais produtos hortifrutícolas, e entre eles, claro, manga ”.

Quanto à dimensão externa, acrescenta que “ 70% das nossas mangas têm como destino a União Europeia, principalmente para Holanda, Porto de Roterdão, Espanha, Reino Unido, Portugal e Rússia, e os restantes 30% têm como destino Norte e América do Sul, principalmente para os Estados Unidos, Canadá, Argentina e Chile. Já enviamos para o Japão, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos ”.

Mercados da Rússia e Emirados Árabes Unidos

Nosso entrevistado destacou que a Rússia e os Emirados Árabes Unidos são dois mercados muito importantes para a manga brasileira. Nesse sentido, ele comenta que “esses dois mercados são muito importantes para o Brasil, porque produzimos manga o ano todo, e temos destinos muito variados, e a Rússia é um mercado muito grande e podemos mandar muitas mangas, e eles são dois países consumidores muito interessantes . Embora tenhamos enviado pequenas quantidades e estejamos continuamente à procura de novos mercados mais acessíveis para os nossos exportadores. Por exemplo, pensamos que o México é um país que produz muita manga, mas tem períodos em que não as tem e é um mercado em que podemos atuar, e outros mercados próximos, em que podemos trabalhar , Na América do Sul. Estamos interessados ​​no Peru neste momento ”.

Objetivo: Mercado da China

O gerente executivo da Valexport destaca a respeito da abertura de novos mercados que “o mercado chinês chama a nossa atenção, pois é um mercado que tem enorme interesse pelas nossas mangas.

O Brasil alcançou sucesso, com a ação da Abrafrutas, Associação Nacional de Frutas do Brasil, na abertura desse mercado para o nosso melão, estamos na fila para oferecer manga para a China, o segundo produto é a uva, e depois tem a nossa manga. Pode demorar pelo menos cinco anos ”.

Artigo elaborado pelo jornalista agroalimentar Francisco Seva Rivadulla

Fonte: Revista F&H